1. Encontre um Céu Escuro

Um céu escuro livre de poluição luminosa é

o primeiro e mais importante requisito para

sequer ver a Via Láctea. Esteja preparado para

viajar uma distância considerável, caso contrário

você corre o risco de luzes da cidade atrapalharem

seu registro. A lua pode ter um impacto

semelhante em suas fotos da Via Láctea. 

 

Fotografar durante uma lua cheia vai clarear

suas imagens. 

Tente registrar durante uma lua nova.

Quanto mais longe, mais fácil capturar o brilho das estrelas devido à falta de interferência luminosa;

2. Saber quando e onde procurar

Antes de fotografar a Via Láctea, é importante saber onde e como ela estará no momento da foto, pois a galáxia é visível somente por volta do verão e o horário do nascer e do pôr varia a cada mês. Para calculá-los, uso aplicativos para iPhone como Starwalk, Stellarium ou Photopills, que permitem calcular onde a Via Láctea irá nascer ou se pôr e o melhor momento para registrá-la. Estes aplicativos também permitem conferir a fase lunar do momento, para que o céu não fique claro demais.
A primeira dica, para encontrar o centro da Via Láctea, é localizar a constelação de escorpião, acredito que seja a dica mais fácil. Para localizar uma determinada constelação ou estrela – Antares é uma boa para iniciar, pode utilizar um outro aplicativo, gratuito para celular, o Google Sky Maps (lembrando de ativar sempre o GPS).

 3. Use uma câmera digital com boas capacidades ISO alta

Você necessita que o sensor da câmera seja capaz de lidar com as condições de disparo sem introduzir uma quantidade excessiva de ruído. Uma câmera full-frame é preferível, mas certamente não é uma necessidade.

4. Use uma Lente Grande Angular Rápida

Você deve trabalhar com uma lente com uma abertura máxima de pelo menos f / 2,8; Quanto mais rápido, melhor. Não é que você esteja totalmente sem sorte se a sua lente mais rápida é f / 3,5, mas você terá mais de um desafio em suas mãos, uma vez que a lente não será capaz de reunir tanta luz. O mesmo princípio aplica-se à distância focal; Vá o mais longe possível. Você pode estar vendo apenas uma fração da Via Láctea, mas ainda é monstruoso em tamanho. Quanto maior a sua lente, mais você pode capturar.

5. Use um tripé

Isso realmente não é opcional. Impossível não tremer usando velocidade lenta do obturador.

6. Usar Live View

Para evitar a dor de cabeça de tentar focar no escuro, use o recurso de exibição “Live View” da câmera para focar manualmente uma estrela brilhante. Dep.ois de focada pode passar o foco para modo manual

7. Comece com ISO 3200

Voltando ao primeiro ponto, um alto ISO é essencial para coletar luz suficiente para render uma imagem brilhante da Via Láctea. Sob condições típicas, a ISO 3200 é um bom ponto de partida. Com base em como isso funciona com outras configurações da câmera, você pode ir mais alto ou mais baixo a partir daí.

8. Defina uma velocidade de obturação longa (S) ou (Tv)

Isto é como você vai capturar mais luz e criar uma exposição suficientemente brilhante. Há apenas um problema, embora. O planeta não se importa se você é novo na astrofotografia; Ele vai continuar girando, o que significa que se você deixar o obturador aberto por muito tempo, você vai acabar com trilhas de estrelas. Não há nada de errado com trilhas de estrelas quando é isso que você está buscando, mas eles não são realmente desejáveis ​​para fotografar a Via Láctea. Para obter estrelas pontuais, use a "regra 500", que chama para você dividir 500 pela distância focal da lente que você está usando. Assim, se você tem uma lente de 24mm em uma câmera full-frame, você vai definir a sua velocidade de obturador para 20 seg. (500/24 ​​= 20,83). Se você estiver trabalhando com uma câmera de sensor “cropado” certifique-se da conta para o fator de crop (normalmente 1,5 para Nikon e Sony, 1,6 para Canon). Como exemplo, usando a mesma lente de 24mm em uma camera Nikon, você acabaria com uma distância focal efetiva de 36mm (24 × 1.5 = 36). Aplicando a regra 500 irá produzir uma velocidade de obturador de 13 seg. (500/36 = 13,89). 

9. Ajuste a maior Abertura possível de Diafragma (A) ou (Av)

Lembre-se, é tudo sobre coletar tanta luz quanto possível; Profundidade de campo não é a principal preocupação aqui, então abra o diafragma ao máximo.

 

10. Compor o sua foto.
 Não há maneira correta ou maneira errada de compor o sua foto, mas você pode criar uma sensação de profundidade, enquadrando uma paisagem padrão junto com a Via Láctea servindo como o fundo. Só porque está escuro para fora não significa que você deve esquecer sobre o primeiro plano, embora; Você pode adicionar o interesse a sua cena incluindo montes ou montanhas, árvores, formações de rocha, ou mesmo uma pessoa. Experimente tudo o que quiser.

 

12. Processá-lo

Haverá muita variação nesta fase final e, novamente, não há uma maneira certa de lidar com o pós-processamento das suas fotos. As duas coisas mais importantes que você pode fazer para tornar o processamento de pós um pouco mais fácil é fotografar em RAW e obter a melhor exposição que você pode na câmera. Você pode precisar aplicar alguma nitidez e redução de ruído. De acordo com algumas fontes, a temperatura de cor da Via Láctea é de cerca de 4840 ° K (Tungstênio); Se você encontrar muito no lado amarelo / laranja, ajuste o equilíbrio de branco até ter uma cena neutra. Você precisará definitivamente aumentar o contraste; Está tudo bem ser um pouco pesado aqui, contanto que você não está perdendo detalhes de sombra. Se o software de edição de fotos que você está usando permite ajustes de curvas, faça uso dele.

Fotografar Estrelas